Microfisioterapia

Microfisioterapia

1) O QUE É?
Técnica francesa, originalmente chamada de MICROKINESITHERAPIE foi elaborada por Patrice BÉNINI e Daniel GROSJEAN. Tem função de restaurar a vitalidade dos tecidos do corpo que foram afetados por traumas, seja uma torção, infecção por vírus ou um choque emocional. Permite ao organismo limpar as informações negativas que guardou na memória corporal por tantos anos. Seus princípios de auto­cura são semelhantes aos da homeopatia e é um método que vem a complementar a medicina tradicional.

Atualmente cerca de 5.000 microfisioterapeutas atuam na Europa, a maioria na França, Bélgica e Rússia. No Brasil, a técnica começou a ser difundida em 2005, tratando­se de um curso de extensão para fisioterapeutas, com duração de 2 anos.

2) COMO É A SESSÃO?
Após uma anamnese (entrevista a respeito de queixas e disfunções que o paciente sofre) e uma avaliação cinesiofuncional, o terapeuta pede ao paciente para se deitar na maca com suas pernas levemente flexionadas.

Então, guiado por “mapas” desenvolvidos pelos criadores da microfisioterapia, o fisioterapeuta palpa os lugares específicos, procurando as restrições (causas não eliminadas) a serem liberadas.

Essa palpação é feita de várias maneiras: pressão, toque, rotação, aspiração etc. Assim, quando a restrição aparece entre as mãos do terapeuta, ele a estimula com um dos gestos metodológicos, reinformando, então, a organização do ocorrido, permitindo­lhe reagir a esse evento, de maneira a se “livrar” dessa memória celular.

Como o corpo foi estimulado a eliminar os agentes agressores, poderão surgir reações físicas e/ou emocionais, geralmente sutis, muitas vezes imperceptíveis, que devem desaparecer em dias ou semanas. A duração de cada sessão pode variar de 60 a 90 minutos, depois da sessão, é preciso um tempo para o corpo se autocorrigir.

É mais ou menos como quando se fratura um osso: espera­se um tempo para a correção do problema, depois que se engessa a área fraturada. Assim, o intervalo entre as sessões deve ser, aproximadamente, de 30 a 60 dias. Depois desse intervalo, o paciente passa por nova avaliação e, se necessário, é submetido a outras sessões, que também podem ser feitas de forma preventiva.

Scroll Up